quarta-feira, 28 de agosto de 2013

COMO VIVER PROFETICAMENTE

Estamos ministrando a uma igreja que entende o que significa viver profeticamente. Sabemos que todas as profecias que foram declaradas tanto no Velho testamento quanto no Novo, tem seu cumprimento na vida e na pessoa de Jesus. Ele é a  única razão de existirem as profecias. Porque todas as coisas foram convergidas para Cristo:

“...fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs, para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra”. (Ef. 1:9-10)

Portanto, nada há de novo a ser pré-dito, em termos proféticos o “ser declarado”, porque tanto os antigos profetas como os últimos profetas das escrituras (inclusive Jesus), no-las tem declarado pelas escrituras que já existem.

“Eu testifico a todo aquele que ouvir as palavras da profecia deste livro: Se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus lhe acrescentará as pragas que estão escritas neste livro; e se alguém tirar qualquer coisa das palavras do livro desta profecia, Deus lhe tirará a sua parte da árvore da vida, e da cidade santa, que estão descritas neste livro. Aquele que testifica estas coisas diz: Certamente cedo venho. Amém; vem, Senhor Jesus”.

Queremos edificar uma igreja que tem o conhecimento das profecias e que vive estas profecias com discernimento.

Então vamos entender o que significa viver profeticamente. Dois exemplos de homens que viveram profeticamente: Noé e Ló.

“Viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra. Então disse Deus a Noé: O fim de toda carne é chegado perante mim; porque a terra está cheia da violência dos homens; eis que os destruirei juntamente com a terra. Faze para ti uma arca de madeira de gôfer: farás compartimentos na arca, e a revestirás de betume por dentro e por fora”... “Porque eis que eu trago o dilúvio sobre a terra, para destruir, de debaixo do céu, toda a carne em que há espírito de vida; tudo o que há na terra expirará. Mas contigo estabelecerei o meu pacto; entrarás na arca, tu e contigo teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos“.

Ouvir a profecia e estabelecer na vida o seu cumprimento são os primeiros passos para se viver profeticamente. Tiraremos algumas características deste texto para discernirmos os tempos.

Conhecer o coração de Deus e seu intento é fundamental para discernimos os tempos e as épocas. As escrituras revelam todo o intento de Deus desde a criação até a nova Jerusalém. Tudo está estabelecido. Nada vai frustrar os desígnios de Deus. Portanto nossa vida será como um barco a deriva se não atentarmos para as coordenadas estabelecidas nas escrituras.

“Bem-aventurado aquele que e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo”.

Não é somente ler as escrituras, tem que se ouvir também. Ouvir demanda ação, implica obediência. Quem lê nem sempre ouve. Bem aventurado o que lê, e dentre aqueles que lêem serão bem aventurados os que derem ouvidos a profecia.

Noé ouviu o intento de Deus e o colocou em prática. Hoje, vivermos as profecias dos últimos tempos é tão louco quanto foi nos dias de Noé. Imaginar que Noé construiria um “barco” tão grande que pudesse comportar todos os homens da terra seria uma missão impossível. Portanto, para que se tornasse possível, era necessário edificá-lo com paciência, com equilíbrio, sem fanatismo. O dilúvio só veio quando Noé terminou a Arca. A Arca representa Cristo (O Evangelho) que foi feita para todos os homens da terra naquela época. Significa que não era tanta gente assim no planeta como se pensa. Nem o será também quando Jesus vier!

No Evangelho encontramos salvação para todos os homens que vivem hoje sobre a terra. Mas como foi nos dias de Noé a pregação da justiça de Deus acerca do pecado dos homens? (2 Pe. 2:5) Apenas com a construção de uma arca! Como Noé pregou? Com uma construção, uma edificação!

Muitos pensam que pregar o Evangelho hoje é sair pelo mundo afora dizendo que Jesus é o Salvador. Esqueçam! Se a nossa vida não for uma edificação de Cristo em nós mesmos não há pregação alguma do Evangelho, apenas um tagarelar de palavras que não tem fundamentos internos, alicerces interiores.

Pregar a justiça ou anunciar o Evangelho, é viver a profecia como quem a faz encarnar em si mesmo. Tem que se comer o "livrinho", ela tem que fazer parte do seu ser! Então tudo em nossa vida será profético. Nosso trabalho, nossas roupas, nossas casas, nossos cônjuges, nossos filhos... tudo que nos envolve será profético.

“E disse ao povo: Acautelai-vos e guardai-vos de toda espécie de cobiça; porque a vida do homem não consiste na abundância das coisas que possui”. (Lc. 12:15)

“Isto, porém, vos digo, irmãos, que o tempo se abrevia; pelo que, doravante, os que têm mulher sejam como se não a tivessem; os que choram, como se não chorassem; os que folgam, como se não folgassem; os que compram, como se não possuíssem; e os que usam deste mundo, como se dele não usassem em absoluto, porque a aparência deste mundo passa. Pois quero que estejais livres de cuidado. Quem não é casado cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor, mas quem é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar a sua mulher” (1Cor. 7:29-33).

Uma das sementes na parábola do semeador não produz fruto perfeito porque os cuidados desta vida impedem o frutificar para vida eterna!

Se Noé ficasse dividido entre as coisas desta vida e viver a profecia ele não teria terminado a Arca.

Viver profeticamente é estabelecer hoje o que se sabe que veremos amanhã. Diferentemente da ansiedade, que antecipa o “amanhã” que não se conhece! Simples. Se eu sei que esta noite irá esfriar eu deixo disponível a mão um cobertor. Se, sei que vai chover, levo um guarda-chuva. Pode estar o maior sol, eu levo comigo um guardas-chuva porque sei que vai chover. Viver profeticamente é estar hoje como deveremos estar amanhã!

“Mas, irmãos, acerca dos tempos e das épocas não necessitais de que se vos escreva: porque vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como vem o ladrão de noite; pois quando estiverem dizendo: Paz e segurança! então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios”.

Porém, viver profeticamente não é um estilo de vida agradável. Os que não entendem o que você está fazendo irão escarnecer, dirão que você enlouqueceu, que a profecia demora a se cumprir e você está perdendo de aproveitar a vida. Muitos dirão que você tornou-se uma pessoa irresponsável.

Ora, quando iam de caminho, entrou Jesus numa aldeia; e certa mulher, por nome Marta, o recebeu em sua casa. Tinha esta uma irmã chamada Maria, a qual, sentando-se aos pés do Senhor, ouvia a sua palavra. Marta, porém, andava preocupada com muito serviço; e aproximando-se, disse: Senhor, não se te dá que minha irmã me tenha deixado a servir sozinha? Dize-lhe, pois, que me ajude. Respondeu-lhe o Senhor: Marta, Marta, estás ansiosa e perturbada com muitas coisas; entretanto poucas são necessárias, ou mesmo uma só; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada.

Estamos vivendo dias em que a “boa parte” não é mais o ouvir a Palavra de Deus. Temos outras necessidades que ultrapassam e longe o ficar a disposição da Palavra de Deus.

Viver profeticamente é estabelecer o viver diário como uma edificação interna que medita diariamente no que se construirá no dia de amanhã. Isto se chama planejamento espiritual. Defino hoje, o que farei, onde farei e quando farei! Para isto tenho que meditar na Palavra que é a minha “planta arquitetônica”.

Ezequiel foi convidado por Deus a desenhar o novo templo, reformar o culto corrompido. Em sua mente o Templo já estava pronto, mas apenas no conhecimento (espírito/ mente). Ele não estava vivo quando finalmente o novo templo foi edificado. Porém viveu como se já estivesse pronto.

Viver profeticamente é estar cônscio de que as pessoas vão criticá-lo, vão dizer que você se tornou um anti-social, eremita platônico. Alguém que desistiu de vencer na vida, pelo contrário, aborreceu a sua própria vida:

“Quem ama a sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a sua vida, guarda-la-á para a vida eterna”.

É saber que cada vez que compramos algo novo alimentamos a indústria das necessidades, dos sonhos, das facilidades, comodidades, das alegrias temporais, das ilusões de Paz e Segurança. Cada vez que adquirimos algo novo, contribuímos para o desmatamento, poluição, degradação da natureza. Tudo o que o dinheiro puder comprar!

Comprar! Comprar! Comprar! Sempre tem alguém vendendo e sempre temos que comprar, mas sem dinheiro só uma coisa se compra:

“Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite. Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão! e o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e deleitai-vos com a gordura”.

A diferença entre Noé e Ló é as coisas desta vida! Nos tempos de Noé comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, tudo que é estabelecido por Deus como inerente a verdadeira vida. Mas nos dias de Ló comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam.

No tempo de Ló viver profeticamente foi mais difícil do que no tempo de Noé. Noé não se afligia com o comportamento dos homens da sua época, Ló se afligia! Noé não possuía bens, Ló possuía muitos bens, tantos que foi difícil para sua esposa o deixá-los para trás, não tinha como carregá-los. Viver sem eles era questão de vida ou morte. Ela escolheu a morte a ficar sem seus bens materiais.

“Naquele dia, quem estiver no eirado, tendo os seus bens em casa, não desça para tirá-los; e, da mesma sorte, o que estiver no campo, não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló”. (Lc. 17:31-32).
Viver profeticamente como Ló hoje, é saber que temos que estar preparados para deixarmos para trás tudo o que julgamos ser necessário à vida. E como fazer isso? Começa na mente!

“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.

Ló não perguntou aos forasteiros (anjos) o por quê eles estavam ali, apenas queria a presença e a comunhão deles. Fala de uma igreja que não quer saber o que vai acontecer amanhã. Não quer receber o tempo profético, pois diz para si o tempo todo: “Que edificarei agora? Mais uma casa, mais um carro ou quem sabe mais roupas, sapatos, perfumes, afinal quem vive sem tais coisas?”

“Então disseram os homens a Ló: Tens mais alguém aqui? Teu genro, e teus filhos, e tuas filhas, e todos quantos tens na cidade, tira-os para fora deste lugar; porque nós vamos destruir este lugar, porquanto o seu clamor se tem avolumado diante do Senhor, e o Senhor nos enviou a destruí-lo. Tendo saído Ló, falou com seus genros, que haviam de casar com suas filhas, e disse-lhes: Levantai-vos, saí deste lugar, porque o Senhor há de destruir a cidade. Mas ele pareceu aos seus genros como quem estava zombando. E ao amanhecer os anjos apertavam com Ló, dizendo: levanta-te, toma tua mulher e tuas duas filhas que aqui estão, para que não pereças no castigo da cidade. Ele, porém, se demorava; pelo que os homens pegaram-lhe pela mão a ele, à sua mulher, e às suas filhas, sendo-lhe misericordioso o Senhor. Assim o tiraram e o puseram fora da cidade. Quando os tinham tirado para fora, disse um deles: Escapa-te, salva tua vida; não olhes para trás de ti, nem te detenhas em toda esta planície; escapa-te lá para o monte, para que não pereças”.

Conheço algumas pessoas que acreditam que Jesus as arrebatará antes que venha a grande tribulação, e assim não estarão preparados para o caso do noivo se atrasar e uma hora de trevas se instale antes da chegada dEle.

“E tardando o noivo, cochilaram todas, e dormiram. Mas à meia-noite ouviu-se um grito: Eis o noivo! saí-lhe ao encontro! Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. E as insensatas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas estão se apagando. Mas as prudentes responderam: não;
pois de certo não chegaria para nós e para vós; ide antes aos que o vendem, e comprai-o para vós. E, tendo elas ido comprá-lo, chegou o noivo; e as que estavam preparadas entraram com ele para as bodas, e fechou-se a porta. Depois vieram também as outras virgens, e disseram: Senhor, Senhor, abre-nos a porta. Ele, porém, respondeu: Em verdade vos digo, não vos conheço. Vigiai pois, porque não sabeis nem o dia nem a hora”.


Interessante é percebemos que as que foram depois comprar não acharam o azeite para venda, pois Jesus disse: Não as conheço!

Amados, muitos estão dormindo sem azeite. Não tem comprado, pago o "preço" do azeite, do vinho e do leite que se vendem sem dinheiro, pelo contrário, enlouquecidamente, com esforços além do que podem suportar, tem se iludido em trabalhos árduos e penosos pelas coisas desta vida.

Talvez você seja uma destas pessoas, que acredita que tens necessidade de muitas coisas, quero te dizer meu irmão, que apenas uma te basta e que se atentares em ouvir não lhe será tirada: A vida eterna.

No tempo em que Jesus está as portas não te dá contas que as mensagens são de “prosperidade” e não de “deixa tudo e segue-me”? Se morreres hoje, sabes para onde vai a tua alma? Procure viver profeticamente e serás sábio a cerca dos tempos e das coisas que hão de acontecer muito em breve. Medite nas profecias!.
Postar um comentário