quinta-feira, 29 de agosto de 2013

O QUE DIZER SOBRE "UNÇÃO"

“Tendo se levantado Jacó cedo, de madrugada, tomou a pedra que havia posto por travesseiro e a erigiu em coluna, sobre cujo topo entornou azeite” (Gn. 28:18)
Vemos no texto acima a primeira referência bíblica sobre unção (ato ou efeito de ungir, untar com óleo ou ungüento), como uma forma de se consagrar algo a alguém mediante voto. Mais tarde, temos Moisés ungindo Arão e seus filhos para o sacerdócio: “Em seguida derramou do óleo da unção sobre a cabeça de Arão, e ungiu-o, para santificá-lo.”(Lv. 8:12).
Depois vemos o profeta Isaías dizendo a respeito do messias:  “O Espírito do Senhor Deus está sobre mim, porque o Senhor me ungiu para pregar boas-novas aos mansos; enviou-me a restaurar os contritos de coração, a proclamar liberdade aos cativos, e a abertura de prisão aos presos.” (Is. 61:1). No Novo testamento aparecem poucas referências a respeito desta prática, mas a vemos sendo citada por Jesus em Lc. 4:18 a respeito de si próprio e vemos também em Atos dos Apóstolos o uso da palavra “unção” para um ato do Espírito Santo.
Sabemos que o Espírito Santo é representado, na sua forma figurada, com uso da palavra “azeite”; e o Apóstolo Paulo fala: “Mas aquele que nos confirma convosco em Cristo,e nos ungiu, é Deus, o qual também nos selou e nos deu como penhor o Espírito em nossos corações”.(2 Cor. 1:21, 22).
Até aqui vemos unção como uma forma de se separar algo para dedicá-lo a alguém ou alguma coisa.
Por fim temos a última referência Bíblica sobre unção em 1 Jo. 2:18-27:
“Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos. Ora, vós tendes a unção da parte do Santo, e todos tendes conhecimento. Não vos escrevi porque não soubésseis a verdade, mas porque a sabeis, e porque nenhuma mentira vem da verdade. Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? Esse mesmo é o anticristo, esse que nega o Pai e o Filho. Qualquer que nega o Filho, também não tem o Pai; aquele que confessa o Filho, tem também o Pai. Portanto, o que desde o princípio ouvistes, permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também vós permanecereis no Filho e no Pai. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eternaEstas coisas vos escrevo a respeito daqueles que vos querem enganar. E quanto a vós, a unção que dele recebestes fica em vóse não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina a respeito de todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como vos ensinou ela, assim nele permanecei.”
Agora o que vemos é o Apóstolo João escrevendo que a unção nos foi concedida a fim de que nos separe para a verdade, protegendo nosso entendimento a cerca dela e dispensando qualquer pessoa que possa nos engodar com palavras de engano.
Todos estes textos confirmam que a unção que nos foi dada com o Espírito Santo vem para nos proteger e nos separar para a verdade. O fato é que aqueles que foram selados pelo Espírito Santo de Deus foram ungidos por Ele a fim de crerem na verdade e anunciarem esta mesma verdade ao mundo.
Na verdade, a unção não vem de homens, pois o que ocorre no Velho Testamento se torna sombra (figura) daquilo que se realiza no Novo Testamento, ou seja, aqueles que ungem figuram a pessoa do Espírito Santo, e aqueles que recebem a unção figuram as pessoas separadas para uma missão (sacerdócio, reis e profetas). Hoje somos aqueles que foram separados para uma missão e o Espírito Santo é o que nos unge para ela.
Para concluir este estudo, diríamos que qualquer outra forma de se relacionar a palavra “unção” que não seja a de “escolher (separar), instruir e comissionar” seria no mínimo um desvio doutrinário (engano).
“Unção do riso”, “unção do grito”, “unção da dança”, “unção de poder” para revelar, curar e outras tantas que temos visto sendo anunciadas por muitos lugares, só vem para confirmar o que disse o Apóstolo João: “Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos.”
Não se deixe enganar, o Evangelho é o poder de Deus para salvação dos homens e a unção do Espírito é destinada para que este Evangelho seja pregado com verdade e autoridade e discernimento.
Postar um comentário