terça-feira, 3 de setembro de 2013

SOMENTE O CONHECIMENTO DA VERDADE PODE NOS LIBERTAR

Em todos os momentos em que não estou trabalhando na vida secular eu aproveito para ler. Creio que a leitura enriquece, enquanto que a ociosidade mental empobrece. Mas surge sempre uma questão: o que devo ler? Sabemos que a palavra de Deus é a nossa meditação central e bússola espiritual, não preciso incluí-la nesta pergunta. Ao que me refiro é: o que ler além da Palavra de Deus? Vejo muitas opiniões! Alguns crêem que só a bíblia é suficiente para todos os cristãos. Outros acreditam que a leitura extra-bíblica pode nos ajudar a aumentar e edificar nosso conhecimento; outros são mais radicais, proíbem o uso de literatura extrabíblica por acreditar que elas podem trazer confusão e, quando muito, divisão à congregação, visto que já estão habituados e confiantes em todo ensino de seus Pastores e mestres. Mas enfim, qual a resposta que deveríamos buscar para a questão acima?
Meditando na palavra de Deus, no texto de João 16:3 encontrei o seguinte: “quando Ele vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, Ele vos conduzirá a toda a verdade; porque não falará por si, mas dirá as coisas vindouras”. A palavra que grifei (porém) faz referência ao vs. 12 do mesmo capitulo: “ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não podeis suportar agora”. Ou seja, as coisas vindouras que vocês não podem suportar agora, o Espírito da verdade vos anunciará. Elas seriam muito fortes, e somente o Espírito Santo anunciaria (porque Ele é o consolador). Compare com Dn. 10:16-18.
Eu entendo que a palavra de Deus tem um alcance cada vez maior, mais profundo (para aqueles que buscam o conhecimento), à medida que se aproxima “um tempo do fim”. A cada geração que se segue, no meu entendimento, o nível de conhecimento tende a aumentar (Dn. 12:4 – ciência no sentido de conhecimento espiritual e não tecnologia humana); portanto creio que o que se aprendeu e foi uma benção há duas gerações - um exemplo - agora será mais profundo a fim de ser uma benção que gera provisão para hoje. Não quero dizer que o que se aprendeu estava errado, porém devemos ser cônscios de que os poderes das trevas aumentam com “um fim dos tempos” (2Ts. 2:9-12); e a exemplo da farmacologia, cujos remédios são cada vez mais fortes, visando combater o vírus, que sofre mutações, eles mudam seus códigos genéticos, sua cara, sua forma de agir, também vemos a necessidade de vermos, através da palavra de Deus, como a um microscópio mais potente que o da geração passada, a fim de neutralizarmos os “vírus” das trevas!
Quero aproveitar o texto de Mt.12:38-45 e lhe relatar um exemplo do que venho redigindo até aqui. Jesus acabara de expulsar um espírito imundo que era mudo (espírito mudo fala de religiosidade – demônio mudo na igreja não faz barulho nem se manifesta visivelmente, ele era cego também, fala de uma igreja sem revelação; você deve entender que todo ensino de Cristo fala de realidades para você hoje, há de se ver que o que se lê não é apenas ilustração, mas realidade espiritual); temos que identificá-lo através de discernimento de espírito. (1 Cor.12:10).
Então os líderes religiosos, os doutores da lei, os teólogos da época queriam saber se aquela manifestação de poder vinha de Deus. Se aquele método de evangelismo era aprovado pela junta de pastores, se era Deus ou Belzebu que fez aquela libertação, e aí pediram um sinal para se convencerem. Jesus vendo a incredulidade deles disse que somente a ressurreição lhes seria por sinal, visto que eram uma geração incrédula.
 O Senhor citou a rainha de Sabá e os moradores de Nínive que reconheceram Deus através da sabedoria e da pregação de arrependimento (respectivamente – Salomão e o profeta Jonas), como exemplos de gerações passadas que viram as manifestações de Deus e creram nEle. Mas em seguida, no mesmo assunto, Jesus fala de demônio que sai do homem e vai para lugares áridos e depois retorna encontrando uma casa varrida e adornada e leva consigo outros sete espíritos piores do que ele e habita ali, e o estado atual se torna pior que o anterior!
O que será que tem haver os vs. 43 e 44 com o assunto da incredulidade dos escribas e fariseus? Parece que o texto está fora do seu contexto!
Tenho visto algumas “teologias”. A mais utilizada para este trecho da Palavra, em sua exegese  vem sendo a várias gerações a mesma: Fala da vida de santificação! Nós, que depois de aceitarmos a Jesus, vem o Espírito Santo e nos faz uma restauração, limpando e purificando-nos, deixando-nos como noiva ataviada e adornada (Ap. 19:7-8); mas a falta de vida com Deus (meditação na Palavra, oração, jejum e comunhão com nossos irmãos) faz com que deixemos de vigiar e ficamos vulneráveis e abrimos legalidades (pecados), para que espíritos imundos tornem a nos oprimir deixando-nos num estado pior do que quando andávamos sem Cristo!
Esta aplicação dentro do texto (vs. 43-44) é legítima e trouxe para Cristo muitas vidas desviadas do caminho, e despertou outras tantas, que já estavam enveredando pelo caminho de volta ao pecado.
Porém, dentro do seu contexto ela se torna inaplicável, pois Jesus vem falando de incredulidade! Outros teólogos ainda levam como “falta de continuidade de assuntos” pela forma como foram escritos os evangelhos, sem muita preocupação com a ordem cronológica dos fatos.
Mas por que Mateus e Lucas teriam tido o mesmo “equívoco” no mesmo texto?
Na verdade é porque não há equívoco! Vejam, a exegêse para o texto (vs. 43-44) não está errada, porém o queremos edificar aqui, é que não podemos passar duas, três gerações, nos prendendo sempre às mesmas aplicações, pois esta verdade me libertou ontem, mas hoje Satanás mudou suas táticas, e talvez hoje, aquela aplicação da Palavra não venha a me libertar, preciso de algo mais forte (lembram? Um fundamento mais profundo, cavar mais – Lc. 6: 48a) da Palavra de Deus!
Deixe-me dizer-lhes uma coisa: é por isto que muitos cristãos de hoje não sentem mais a alegria de ouvir a Palavra de Deus, eles não tem mais alimento novo, porque “nós sacerdotes, temos rejeitado o conhecimento da Palavra”, a Palavra revelada, a palavra “rhema”! (parafraseando Os. 4:6). Precisamos que o Espírito Santo nos revele algo mais forte a respeito das coisas vindouras !
Lembre-se, Jesus acabou de expulsar um espírito mudo. Satanás hoje age em silêncio, não em alvoroço de manifestações demoníacas. Satanás quer destruir a mensagem que liberta!
Enquanto a igreja não aumenta seu conhecimento, ele pode aumentar suas formas de aprisionar o cristão sem ser detectado! Aumento de conhecimento não é ouvir muito a mesma mensagem com a mesma exegêse, mas ouvir coisas vindouras e cada uma dentro da sua própria contextualidade, para que aprendamos hoje a fim de prevalecermos amanhã (2Cr.12:32).
Não adianta trazer lá dos E.U.A. uma mensagem para o Brasil, o que é de lá permaneça lá, nossas necessidades podem não ser as mesmas. O “negócio da china” é para os chineses, não para brasileiros!
Os fariseus não viam em Jesus uma manifestação como sendo de Deus. Quando surge algo novo, que vem para libertar e destruir fortalezas, uma mensagem nova, um princípio ainda não estabelecido, uma Palavra mais forte, profunda, mexendo e abalando fundamentos de homens, praticados há muitas gerações, aí a geração antiga não aceita como vindo de Deus – “é heresia!”. Bem, até aqui não há nada de novo, pois verdadeiramente não se coloca mensagem nova em mentalidade velha, pois mente velha se rompe! E necessário primeiro derrubar as fortalezas humanas que se levantam contra o conhecimento que está vindo de Deus, a fim de que possa nos libertar! Isto é bíblico veja em Lc 5:36-37; 2Cor. 10:4-5.
Quando não entendemos e não praticamos isto o que acontece é a divisão! Paulo diz: usemos de armas espirituais! Neste texto a autoridade apostólica de Paulo estava sendo questionada, sua mensagem estava sendo questionada! Jesus diz no vs. 35 de Lc 5 que o jejum deve vir antes de se aplicar qualquer coisa nova. Por quê? Veja se você já viu um caso assim:
“Um irmão alcança uma visão mais profunda de um conhecimento já edificado. O Espírito lhe está revelando algo forte, algo que é vindouro, e precisa ser ensinado para que a próxima geração não venha ser cativa de Satanás. Ele reparte a visão com seu líder. Este não entende e pede um sinal. O irmão diz que é de Deus e só pode comprovar no terceiro dia (na ressurreição, na vinda!). Então o líder lhe diz que já temos nossas doutrinas, dogmas, nossa igreja já existe e permanece há tantos anos, e acrescenta, que se não estivessem no caminho certo, certamente já teriam fechado as portas - time que está ganhando não se mexe – e termina com: não vamos mudar nossos paradigmas!”.
“Então aquele irmão abre a visão para outros irmãos, aqueles mais“chegados”, aqueles que são levados facilmente por qualquer vento de doutrina (Ef. 4:14; 1Cor. 14:20) e estes aderem a visão daquele irmão e já está feita a divisão (1Cor. 11:18-19 – os aprovados neste texto são aqueles que não cedem as divisões). No mês seguinte, abre-se uma nova frente de trabalho na cidade com um nome bem sugestivo!”.
Queridos, contra estas maquinações diabólicas (divisão do corpo) o Senhor nos ensinou: use uma arma espiritual – o jejum! Deus pode mudar o coração do teu líder, ou então, tirar do teu algo que não é para agora, ou ainda, que não procede do coração de Deus! Mas uma coisa não pode acontecer: o corpo se dividir e perder forças (Mt. 3:24). Porém, se Deus quer te levar para outro aprisco (Sl. 23:2) e lá você venha a se fortalecer mais e crescer mais, então vá, mas debaixo da bênção do teu líder e na comunhão com todos os irmãos. Lembre-se “guia-me mansamente...” é sem contenda, sem facções, sem dissensões!
Os fariseus representam a lei, que num primeiro contato tinha a responsabilidade de levar todos a comunhão com Jeová, mas com passar do tempo, esta lei não trazia aperfeiçoamento (Hb. 7:19), neste sentido o culto tornava-se ritualístico e sem o verdadeiro propósito: a comunhão com o Pai; e isto a ponto de, exteriormente, os fariseus demonstrarem um culto “legítimo”, mas na verdade só de aparência, pois o governo de Deus não se fazia presente no interior do templo, que estava limpo e organizado, porém sem a presença do Espírito de Deus!
É assim, quando gerações após gerações, deixam-se levar por um culto formalístico, onde o nível de conhecimento nunca aumenta, onde as mesmas exegêses são repetidas e torna-se alimento “sem proteínas”, então aquele demônio, que gerações passadas foi colocado para correr com uma Palavra de sabedoria e de conhecimento (Ef. 1:17-18), este espírito imundo fica andando até encontrar lugares áridos, sem água e sem vida, uma próxima geração sem uma Palavra viva, renovada (lembre-se, no deserto ele busca repouso e não encontra, mas o Senhor diz, que no deserto ele sustenta a mulher, a esposa, um remanescente, uma igreja fiel (Os. 2:14-20; Gl. 1:15-18; Ap. 12:6,14), e então o espírito imundo volta para sua antiga morada (o lugar da incredulidade), como os fariseus, que encontram-se limpos e adornados, mas vazios, e este espírito volta mais forte! Veja, Jesus não estava falando de santidade, ou de uma mensagem contra os pecados da igreja, mas de um pecado que traz demônios mudos – o pecado da incredulidade, que gera religiosidade e esvazia os corações.
Queremos concluir esta edificação e dizer que uma busca primeiramente pura (sem interesse de glória pessoal), verdadeira (que seja a própria Palavra de Deus lida e revelada) e justa (que visa o aperfeiçoamento dos santos, e não a divisão do corpo) pode e deve, ser com toda a ajuda literária, (retendo o que é bom!).
E fica aqui registrado o nosso conselho: não faça esta busca sem ter um guia que te conduza a toda a verdade. Não confie em tua capacidade intelectual (Gl. 1:15-16). Não se deixe levar por doutores da lei mais antigos e famosos, visto que o que se aprendeu no passado não poderá vencer o poder das trevas de hoje (ex: usos e costumes, escatologias bíblicas), mas ficam como alicerces e princípios nos quais se devem mergulhar mais profundamente para obter-se maior conhecimento (Gl. 1:17).
Mas vá para o deserto, aprenda a viver na dependência de Deus quando estiver nesta busca pelo conhecimento. Que este guia seja aquele que você identifica a Sua voz, aquele que tem o controle da tua mente e do teu coração para que Satanás não venha a perverter a verdade e transformá-lo num herético! Que o nosso guia seja sempre Ele: O Espírito da verdade (Jo. 16:13).
Quero fazer minhas as palavras de um irmão, pregador da 1ª Igreja Batista de Londrina/PR – Pr. Glênio Paranaguá: “O cremos determina a maneira como pensamos, a maneira como vivemos e de como procedemos. Uma crença errada (ou não renovada) significa, em última analise, uma vida deformada. Cada igreja local pode determinar o crescimento ou a extinção da verdadeira fé em Cristo Jesus. Todo o avivamento começa em (ou quando) uma geração se volta para a Palavra viva de Deus!”.
A este pensamento, humildemente acrescento, que a busca pelo conhecimento deva ser cada vez maior em relação as gerações passadas (Dn. 12:4), e que as coisas vindouras venham a ser reveladas através de uma profunda e intima relação com o Espírito Santo de Deus e a Sua Palavra viva e eficaz. E aí sim, alcançaremos a libertação daquilo que nos oprime hoje! (Os. 4:6). Busque conhecer o Senhor! (Os. 6:3).
Postar um comentário