terça-feira, 3 de setembro de 2013

AS PORTAS DO INFERNO NÃO PODEM PREVALECER

Estamos ministrando a cerca do favor imerecido, chamado a Graça de Deus, sobre os homens. Existe um entendimento errado a cerca do que Jesus declarou aos discípulos sobra as chaves do reino dos céus.
Precisamos rever nossas doutrinas, precisamos rever nosso entendimento, pois por muitos anos fomos doutrinados, ensinados a cerca de algo que Jesus não disse. O Evangelho são as chaves que abre o reino dos céus para, que todos quanto ouçam e creiam, possam adentrar o reino de Deus. Jesus mesmo disse a Nicodemos que se ele não nascesse de novo não poderia entrar no reino de Deus.
Nossa condição ao nascermos é a de estarmos destituídos da glória de Deus. Todo homem nascido de mulher nasce com sua alma aprisionada no pecado e que segundo Paulo, este pecado ou o mal, que em nós habita, é o aguilhão da morte. Portanto todo homem nascido de mulher já está condenado ao inferno, ou a sepultura, porque na sua essência habita o aguilhão da morte. Assim sendo quem poderá nos livrar do corpo desta morte?
Enquanto Jesus não voltar para nos arrebatar, todos nós morreremos um dia. O que nos faz envelhecer para morte é o mal que em nós habita. E porque morremos com o mal, ou pecado, que em nosso corpo de morte habita, é que estamos aprisionados pelo inferno ou a sepultura. Do berço a sepultura, todos nós iremos um dia, sem exceção, inclusive foi assim com Jesus! Se Jesus não tivesse abrigado em seu corpo nossos pecados ele não teria descido ao inferno como declara o salmista acerca do messias: “Tenho posto o Senhor continuamente diante de mim; porquanto ele está à minha mão direita, não serei abalado. Porquanto está alegre o meu coração e se regozija a minha alma; também a minha carne habitará em segurança. Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção”. Jesus desceu ao inferno quando morreu! Porque nEle, em seu corpo, estava o nosso pecado. “Porquanto o que era impossível à lei, visto que se achava fraca pela carne, Deus enviando o seu próprio Filho em semelhança da carne do pecado, e por causa do pecado, na carne condenou o pecado”. Jesus recebeu em sua carne (corpo) a condenação do nosso pecado, e como conseqüência, desceu a mansão dos mortos ou como conhecemos ao inferno! O inferno não é habitação de demônios nem do Diabo, como vemos em muitas pregações dizendo que Jesus desceu ao inferno para tirar do Diabo as “chaves das portas do inferno” e que o Diabo perdeu sua casa e está sem as chaves. Isso é estorinha para fazer criancinhas dormirem no conhecimento do Evangelho da Graça de Deus.
Mas onde está óh morte a tua vitória, onde está óh morte o teu aguilhão?
O aguilhão é o mal, o pecado que em nós habita. Paulo está triunfante quando fez esta declaração, pois agora em Cristo nenhuma condenação ou aprisionamento poderá ser feito àquele que crer no Evangelho. Não ficará a mercê da morte nem do inferno!
Nem a morte, nem o inferno puderam reter Jesus! Aqui está a revelação do que foi dito aos discípulos: “Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra (Cristo) edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; dar-te-ei as chaves do reino dos céus; o que ligares, pois, na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus”. O texto não fala de demônios e muito menos do Diabo. O Evangelho são as chaves para abrir os céus, não o inferno, onde por meio dele todo aquele que crê, ainda que esteja morto, enterrado, sepultado, seja ressuscitado no último dia. As portas dos céus foram abertas por Jesus:
“Quem subirá (se subir é porque desceu) ao monte do Senhor, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração; que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente. Este receberá do Senhor uma bênção, e a justiça do Deus da sua salvação. Tal é a geração daqueles que o buscam (da mesma forma acontecerá), daqueles que buscam a tua face, ó Deus de Jacó. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é o Rei da Glória? O Senhor forte e poderoso, o Senhor poderoso na batalha. Levantai, ó portas, as vossas cabeças; levantai-vos, ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória. Quem é esse Rei da Glória? O Senhor dos exércitos; ele é o Rei da Glória”. (grifos e comentários nossos)
As portas do inferno não são a morada das hostes do mal. Aqui Jesus não estava falando acerca de se ter autoridade sobre demônios. Jesus está dizendo que agora todos os homens podem ser livres de irem para o inferno quando morrerem, e isto só é possível por meio do ouvir e crer no Evangelho, pois na realidade, Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, sendo ele as primícias dos que dormem. Porque, assim como por um homem veio a morte, também por um homem veio a ressurreição dos mortos. Pois como em Adão todos morrem, do mesmo modo em Cristo todos serão vivificados. Cada um, porém, na sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda.
Há um paraíso, e não mais um inferno, preparado para aqueles que dormem (morrem) no Senhor a partir do Evangelho. Foi exatamente esta pregação que Jesus fez aos espíritos que haviam descido a sepultura, ou ao inferno, antes dele: “Porque também Cristo morreu uma só vez pelos pecados, o justo pelos injustos, para levar-nos a Deus; sendo, na verdade, morto na carne, mas vivificado no espírito; no qual (em espírito) também foi, e pregou aos espíritos em prisão”. O corpo de todo homem é pó e volta ao pó na sua morte, porém o corpo de Jesus foi glorificado, transformado,  para subir ao Pai. “Disse-lhe Jesus: Deixa de me tocar, porque ainda não subi ao Pai; mas vai a meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”.
Quando Jesus morreu, ele desceu e não subiu. “Por isso foi dito: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens. Ora, isto -ele subiu- que é, senão que também desceu às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu muito acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas”. O cativeiro que Cristo levou cativo foi o “poder” que a morte e o inferno exercem sobre todos os homens! Jesus pregou aos espíritos aprisionados não porque tenha falado alguma coisa a eles como que aguardando deles um arrependimento para serem salvos do inferno, mas porque todos eles viram um homem descer e viram o mesmo homem subir. Esta é a pregação do Evangelho feita por Jesus, aos espíritos que foram rebeldes no tempo de Noé, porque antes da lei já estava o pecado no mundo, mas onde não há lei o pecado não é levado em conta. No entanto a morte reinou desde Adão até Moisés, mesmo sobre aqueles que não pecaram à semelhança da transgressão de Adão o qual é figura daquele que havia de vir. Assim a recompensa (Cristo) foi feita a todos os espíritos que estavam em cativeiro e que aguardavam o cumprimento da profecia de Gêneses 3:15, os quais haviam sido justificados pela fé, no sacrifício expiatório de animais, conforme as ordenanças antigas. Jesus só tomou para si o “poder” da morte e do inferno.

Portanto aqueles que querem pensar que o Diabo pode levar alguém para o inferno eu exorto que revejam suas doutrinas, pois quem pode fazer perecer no inferno uma alma é somente o pecado que em nós habita. Se este pecado não receber a justiça de Deus, o sangue remidor de Jesus Cristo, e esta alma não for selada com o Espírito Santo, então há um inferno já preparado e com as portas bem escancaradas para receberem tantos quantos assim quiserem permanecer nesse caminho de morte. 
Postar um comentário