terça-feira, 3 de setembro de 2013

E ISTO FAZEI

“E isto fazei, conhecendo o tempo, que já é hora de despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto de nós do que quando nos tornamos crentes”. (Rom. 13:11).
Meditando na carta aos Romanos pude perceber a profundidade das riquezas contidas em toda a sua extensão. Uma carta que traz como temas teológicos assuntos diversos como: pecado, salvação, a graça, a fé, a retidão, a justificação, a santificação, a redenção, a morte e a ressurreição. Do ponto de vista cristão uma carta “completa” para o crescimento da igreja de Cristo não apenas no âmbito horizontal (avanço do reino) como também no vertical (crescimento espiritual individual).
Mas o que queremos ver hoje aqui é uma revelação a mais, uma gota a mais de entendimento da própria Palavra escondida. A Palavra de Deus é como uma escavação arqueológica que e a cada avanço revela um novo e mais profundo conhecimento de Deus e de Sua verdade. Por isso a necessidade de não nos contentarmos com o que sabemos, porém, buscarmos em conhecer a Deus cada vez mais! (Oséias 6:3). Paulo menciona isto também em seu capitulo 11 dos versos 33 a 36 da carta aos Romanos.
Quando passava pelo capitulo 13 no vs 11 da carta aos Romanos uma frase me chamou a atenção. Paulo escreve algo que eu não compreendo de imediato. Todas as vezes que leio a Palavra de Deus eu me deparo com esta situação: “Não entendo, ou não compreendo o que o escritor quis dizer com o texto!” Quando isto ocorre, eu sei que Deus quer me revelar algo, pois minha mente não pode absorver o que estou a ler! É maravilhoso saber que o conhecimento humano não pode perscrutar a mente de Deus, mas o nosso espírito pode receber a sabedoria de Deus e todo o Seu conhecimento pela revelação do Espírito Santo de Deus e Sua Palavra escondida! Aleluia!
Eu entendo que a nossa salvação em Cristo é a primeira das inúmeras experiências que vivenciamos no decurso da nossa vida Cristã. Digo primeira, pois muitos são aqueles que vivenciaram esta única experiência para no minuto seguinte partirem para a eternidade com Deus (veja exemplo Lc 23:40-43). Serão muitas as experiências que teremos que passar nesta vida a fim de produzir em nós os frutos que permaneçam para a eternidade. “Vós não me escolhestes a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos designei, para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda”.(Jo. 15:16).
Aquele ladrão na cruz (Luc. 23: 39-43) produziu fruto, fez uma petição e foi atendido (Jo. 15:16). Ele reconheceu a Jesus como Senhor e Rei diante dos homens, e seu pedido lhe foi concedido: “Portanto, todo aquele que me confessar diante dos homens, também eu o confessarei diante de meu Pai, que está nos céus. Mas qualquer que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai, que está nos céus”.(Mt. 10:32,33).
“Então disse: Jesus lembra-te de mim quando entrares no teu reino. Respondeu-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso”.
Portanto as experiências não apenas produzirão o caráter de Cristo em nós (fruto), mas nos ajudarão a entender os mecanismos ou princípios, que fazem com que o Pai nos conceda o que lhe pedimos em nossas orações.
No texto base de Romanos, o apóstolo me exorta a alcançar um degrau a mais em meu crescimento espiritual. Ele diz que depois de eu “conhecer o tempo” e mais o que ele escreveu até aquele momento, (diga-se de passagem, se formos para um seminário de teologia, ou uma faculdade, não conseguiremos esgotar todo o conhecimento dos temas tratados até aquele capitulo 13) eu deveria ser despertado do meu sono! O que será que Paulo está dizendo?
 Então, quando eu disse a Deus, que talvez todos os dias de vida que ele me tem dado neste mundo, não seriam suficientes para que eu pudesse absorver o conhecimento do que Paulo estava tratando até aquele momento, foi que o Senhor me revelou um conhecimento: “E isso fazei,...” vs 11 parte a.
Deus não estava me dizendo algo que deveria saber, mas o que eu deveria fazer!
Retornei ao capitulo anterior (12) dos vs. 9 ao 20 e cap 13 do vs. 1 ao 10 e entendi que muitas das obras mencionadas naqueles versículos estavam sendo omitidas, e por causa disto, áreas de trevas, de sono espiritual, estavam instaladas na minha vida (Rm 13:12). O fato de reconhecermos o Senhor Jesus como nosso salvador e sabermos que Ele é a Luz que veio ao mundo (Jo. 1: 4-5) não nos impede de possuirmos áreas de trevas em nossa vida.
Eu cria que por ter aceitado a Jesus, toda a Luz dEle estava dentro de mim. O Evangelho de Lucas nos diz que esta Luz veio para manifestar as obras das trevas, sim, mas não apenas as que estão no mundo, mas dizer a nós quais são as áreas de trevas que estão nos impedindo do crescermos em Cristo:
“Ninguém, depois de acender uma candeia, a põe em lugar oculto, nem debaixo do alqueire, mas no velador, para que os que entram vejam a luz. A candeia do corpo são os olhos. Quando, pois, os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; mas, quando forem maus, o teu corpo será tenebroso. Vê, então, que a luz que há em ti não sejam trevas. Se, pois, todo o teu corpo estiver iluminado, sem ter parte alguma em trevas, será inteiramente luminoso, como quando a candeia te alumia com o seu resplendor.” E em Mt. 6:23 diz ainda: “se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes são tais trevas!”.
As áreas de trevas na minha vida não apenas me impossibilitam de crescer em Cristo como também impedem outros de virem a Ele: “para que os que entram vejam a Luz”. Paulo não está tratando de pecados conhecidos e relacionados em Gl. 5:19-21, ou de Col. 3: 5-9, ou de Ap. 21:8, pois estes impedem a minha salvação, mas ele fala de atitudes que impedem o meu crescimento espiritual e o de outros também! Eu posso ser salvo e passar toda a minha vida como um bebê no crescimento espiritual, como também posso reconhecer áreas de trevas em minha vida que impossibilitam que meu crescimento se desenvolva, e renunciá-las a ponto de modificar o meu comportamento cristão! Na verdade ele está tratando mais de pecados de “omissão” do que os de ação!
O que Paulo está tratando aqui são comportamentos que refletem áreas de trevas em nossas vidas! Você pode ignorar isto e mesmo assim será salvo, mas o que ele também quer é nos instruir quanto ao “tempo”. E o que isto tem haver com as áreas de trevas em nossas vidas?
Há uma necessidade da igreja despertar para o “tempo”! Hoje satanás está agindo cada vez mais cedo. Percebam que há alguns anos atrás a ação maligna (assédio do pecado) começava na faixa etária dos 18 aos 25 anos. Hoje ele já atinge os adolescente de 12 anos. O inimigo sabe que desviando a atenção de uma geração nesta fase perverteria a igreja de amanhã. Não estamos falando dele (o diabo) levar os nossos adolescentes e jovens para o mundo, ele não usa mais esta estratégia, agora ser evangélico está na moda, mas o de trazer um ensino, ou uma mensagem que leve os jovens a uma deformidade no seu crescimento e caráter espiritual.
Tenho visto algumas formas de culto e não tenho percebido neles um crescimento espiritual. São cultos “diferentes”, “frenéticos”, mas não se percebe um desenvolvimento pelo conhecimento de Deus. Fala-se muito em adoração, mas pouco se compreende sobre o que envolve esta atitude. Fala-se muito em louvor, mas pouco se canta a respeito dos atributos de Deus, fala-se mais da alma humana, e do que ela quer, do que o amor e as misericórdias de Deus!
Quando se convidam estes jovens para estudarem a Palavra de Deus, versículo a versículo, aparecem meia dúzias, mas quando o assunto é “louvor e adoração” as igrejas lotam de jovens! Para uma hora de estudo é chato, mas para três horas de louvor não vê as horas passarem! Os líderes dizem: “o jovem é assim, não tem muita paciência para ouvir e meditar; prefere mais os ritmos e as danças que Davi lhe ensinou”.
Ao lermos em Deuteronômio 6 a seguinte passagem: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças. E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te... ficamos a pensar porque os filhos dos hebreus tinham que saber toda a Tora até os doze anos? Porque isto faria diferença na formação dos homens de Israel amanhã.
Paulo está falando no vs. 11 do cap. 12 para não sermos vagarosos no cuidado, mas fervorosos no espírito, servindo ao Senhor, e isto reflete algumas áreas de trevas em nossas vidas. Quando permitimos que os nossos filhos se distanciem do evangelho do Senhor é porque nós também temos nos distanciados das coisas santas de Deus no nosso dia-a-dia. Quanto eles tem visto nós perseverando em oração em nossas casas conforme o vs. 12 de romanos 12 e o texto acima de Deuteronômio?
“Conhecendo o tempo” significa dizer que devemos olhar para o que está ocorrendo em nossa volta, refletir se temos sido responsáveis pelo fato de outras pessoas (nossos filhos p. ex.) não virem a Luz manifestada em nossas vidas e virem a rejeitar o evangelho de Cristo.
Até a hospitalidade temos negado aos santos quanto mais aos incrédulos! E abençoar os que nos perseguem? “Isto está fora de cogitação”. Alguns têm até dificuldade de se alegrar com os que se alegram porque são falhos na mordomia do tempo para não estarem junto com aqueles; pior ainda se tiverem que chorar com alguém, pois já vivem chorando por si mesmos devido a falta de vida cristã em suas vidas quanto mais com outro chorão!
No vs. 16 poderíamos parar um pouco e vermos o quanto de trevas há em nós! Só ali naquele versículo daria para enumerar um sem números de situações que exemplificam a nossa desunião, vaidade, soberba e por aí a fora! Eu oro para que o Espírito de Deus ilumine as áreas de trevas em nossas vidas meus amados!
Amados é muito mais sério do que podemos imaginar! Seremos julgados pelo que fizermos e pelo que deixarmos de fazer por meio do corpo, não para salvação, mas para galardão! Como está escrito: “Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do [corpo], segundo o que praticou, o bem ou o mal.” (grifo nosso). A este texto acrescento o que disse o escritor do livro aos hebreus em seu cap 5 vs 12 a 14:
“Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao “tempo” decorrido, tendes, novamente, necessidade que alguém vos ensine, de novo, quais são os princípios dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido. Ora, todo aquele que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, porque é criança. Mas o alimento sólido é para os adultos, para aqueles que, pela prática (“e isto fazei”, lembra? Inicio da ministração!) tem as suas faculdades exercitadas para discernir não somente o bem, mas também o mal.” (Grifo nosso). Mas se estamos adormecidos, se ainda somos crianças no conhecimento da Palavra, como discerniremos o bem e o mal?
Eu acredito que galardão não fala de pedrinhas em uma coroa, mas de um lugar de autoridade no Reino eterno de Deus! Queridos, já é tempo de despertarmos do sono! Extrairmos as áreas de trevas que há em nossas vidas! Deus nos conceda Sua Graça e Misericórdia a fim de nos iluminar como está escrito: “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das [luzes], em quem não há mudança nem sombra de variação”.Tiago 1:17.
Postar um comentário