terça-feira, 3 de setembro de 2013

GUERRA DENTRE MENTES

Muito se vem discutindo na teologia, psicologia, psiquiatria a cerca da tricotomia do ser! Dividir o ser humano em corpo, alma e espírito têm se tornado um dilema eterno.
Neste mês de Outubro de 2011 construí um laboratório. Para isto recorri a Internet a fim de encontrar pessoas, que não me conhecessem, e que estivessem dispostas a contribuir com as informações necessárias para uma experiência a cerca do assunto. Entrei em dois sites na Internet, onde são discutidos  assuntos diversos, em sua grande maioria relacionados com a Bíblia. Na verdade o debate em si, ou assunto a ser debatido, não era importante, mas sim como as mentes envolvidas produziam, a partir da alma, a suas vidas, visto que a alma é a vida, e como vida, possui desejos...concupsciência! Esses desejos são a “vida da alma”.
Na experiência, que vem durando até hoje, chegamos à conclusão de que nossa alma é o centro de tudo. A partir dela e somente porque ela existe em concupsciência (desejos e cobiças), é que tudo se realiza. Ela produz o desejo, que transfere a mente, e esta passa a construir o que alma está produzindo. A mente é um servo mandado, um pombo correio, um garoto de recados! Nela deveria ser ativado o espírito da consciência, que avalia os desejos da alma quanto a serem ou “bem  ou mal”, mas nosso pecado cauterizou o espírito da nossa mente, de sorte que o Evangelho é o único que pode nos vivificar quanto ao espírito da nossa mente!
Nesse processo, toda produção da alma, pode ou não se manifestar para fora do ser. Se a alma sente alegria, então a mente constrói uma caricatura e envia essa imagem codificada para o corpo, que imediatamente, reconhece a caricatura que quer revelar o sentimento de “alegria” ou qualquer produção de desejos e concupsciência da alma. O resultado então será uma imagem de satisfação e bem estar na fisionomia da pessoa que produziu primeiramente o desejo. E não apenas na fisionomia, mas a mente pode instruir o corpo a produzir palavras construindo assim expressões lingüísticas que serão codificadas pelo órgão da fala e finalizarão todo o processo, de forma que tudo começa na alma! A mente e o corpo estão a serviço da alma!
Jesus costumava chamar também a alma de “o coração do homem” seu ponto vital.
Quando Deus fez o homem, diz que Ele o fez a sua imagem e semelhança. A mente e corpo são à imagem e à semelhança de Deus. Por que? Simples. Elas obedecem ao ser (alma) que os governa. Quando Deus disse: “Eis que o homem se tem tornado como um de nós, conhecendo o bem e o mal...” pois na criação, ele primeiramente tinha se tornado alma vivente, e agora estava provando que era um ser autogovernável, com idéias próprias, com volição, vontade de fazer algo e pronto! Conhecendo o bem e o mal, significa que temos volição, vontade própria, somos autogovernáveis. Deus não tem um “joystick” na mão para nos obrigar e conduzir nossas decisões! Em Jesus, o verbo se fez carne, e se fez para atender àquele que O governava. Jesus tinha alma, corpo e espírito (mente), portanto Jesus estava sob o domínio da sua alma, que a sujeitou a Deus em toda a obediência, e conseqüentemente, sua mente e corpo seguiram com sua alma. Esse ser “Jesus”, ve“io para inseminar em nós um governo nunca conhecido: AMOR! AMOR é o governo divino que nos governa na obediência a Deus.
Nossa alma, inicialmente como de Adão, diferentemente da de Cristo, é corrupta, má (Mal e não Mau), tendenciosa, porque habita o pecado, e portanto, nossas ações são condenadas o tempo todo porque não são feitas sob o governo de AMOR. Sem AMOR, tanto o que fazemos, como o que falamos, obedecem a um chamado e governo da alma e conseqüentemente, para produção de obras malignas a partir do pecado. Sempre me perguntei por que Deus não fez almas com o governo de AMOR em si mesmas e portanto obedientes ao AMOR da verdade desde o Éden?
Simples, porque a alma é a única coisa que não veio do Criador, não foi gerada, tecida a partir dele, e se não veio do criador entendemos porque o salmista diz: Vós sois deuses! E também entendemos porque Deus nos fez com livre arbítrio para decidirmos receber ou não desse AMOR.
Deus não criou as almas! Deus soprou no barro seu fôlego de vida e então o homem se tornou alma vivente. Um deus! Com propriedades divinas (espírito) e não divinas (corpo), mas livre para produzir infinitas obras!
Gerar seres eternos sempre foi a única vontade de Deus, mas ele precisava gerar dentro em nós um homem eterno, e não criar um ser eterno! É uma diferença enorme. Deus criou animais, vegetais, mas estes não transcendem a barreira entre a morte e a eternidade, nem podem discernir na dimensão do espírito. Na verdade Adão e Eva, eram somente as primeiras sementes para produção de seres eternos que transcenderiam a dimensão do espírito (fôlego de vida) e do pó (corpo). Nossa alma é de fato o ser que Deus quer para ser eterno. A semente da árvore não é o produto final, o produto final é um ser produtivo, porém que seja eterno gerador de novas sementes! As árvores crescem (a partir da criação da semente) e morrem, os animais crescem (a partir da criação)  e morrem, o ser humano foi criado, viveu e só morreu porque ficou sem alimento (árvore da vida) e o pecado o matou. Por que? Tanto um (animais e vegetais) como o homem não tem “poder” para transcender a dimensão da matéria, ou seja, não possuem AMOR! AMOR é o poder gerador de vida eterna!
Deus é AMOR! Querer Deus, é querer se tornar um ser gerador em si mesmo de vida eterna. Aquele que diz que recebeu o AMOR de Deus em seu coração tornou um ser eterno, pois o AMOR é gerador de vida eterna! Por que Adão morreu? Porque não recebeu em seu coração o AMOR de Deus! O AMOR de Deus  é Jesus, este nos conduz a viver segundo a SUA mente, ouçam:
“Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado de meu Pai, e eu o amarei, e me manifestarei a ele... Se alguém me amar, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos a ele, e faremos nele morada. Quem não me ama, não guarda as minhas palavras; ora, a palavra que estais ouvindo não é minha, mas do Pai que me enviou”. Qual é o mandamento: AMAI-vos uns aos outros! Adão comeu porque não tinha AMOR, pois se amasse a Deus guardaria o mandamento que dizia: Não coma!
Até que recebamos o AMOR de Deus que é derramado em nossos corações pelo Espírito Santo de Deus, somos governados pela nossa alma, que também foi chamada de “a carne” pelo Apóstolo Paulo. “E a esperança não desaponta, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. “Se o AMOR de Deus está derramado em nossos corações, então o governo passa a ser do Espírito e não da carne mais: “Ora, se Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito vive por causa da justiça... E, se o Espírito daquele que dos mortos ressuscitou a Jesus habita em vós, aquele que dos mortos ressuscitou a Cristo Jesus há de vivificar também os vossos corpos mortais, pelo seu Espírito que em vós habita. Portanto, irmãos, somos devedores, não à carne para vivermos segundo a carne; porque se viverdes segundo a carne, haveis de morrer; mas, se pelo Espírito mortificardes as obras do corpo, vivereis.
Assim, nossa mente passa a obedecer ao Espírito Santo e não mais aos desejos e vontades da alma! Ainda que ela insista em querer ter o domínio da situação é a voz do Espírito que a nossa mente deve ouvir para não cumprir o desejo da carne! Com a mente recebendo instruções de AMOR vindas do Espírito Santo os frutos serão manifestos: “Digo, porém: Andai pelo Espírito, e não haveis de cumprir a cobiça da carne”. Mas se não há presença do Espírito Santo em nós, então a vontade da carne (alma) prevalecerá!
Nosso laboratório foi muito importante para nos mostrar, quem, em circunstâncias adversas, está governando nossa mente e nosso corpo (língua, mãos, pés, olhos...) e conseqüentemente, os DESEJOS que governam se manifestam e são latentes! Assim entendemos o que disse Jesus: “Ajuntando-se entretanto muitos milhares de pessoas, de sorte que se atropelavam uns aos outros, começou Jesus a dizer primeiro aos seus discípulos: Acautelai-vos do fermento dos fariseus, que é a hipocrisia...Mas nada há encoberto, que não haja de ser descoberto; nem oculto, que não haja de ser conhecido. Porquanto tudo o que em trevas dissestes, à luz será ouvido...!”
Jesus chama a nossa atenção para uma espécie de fermento: a hipocrisia! Que nada mais é que a tentativa de se demonstrar uma virtude, ou um sentimento louvável, que na verdade não se tem, e que os desejos que se tem, sempre serão manifestos ainda que estejam profundamente escondidos ou oculto em trevas no nosso ser. Paulo chama estes desejos de obras da carne: a prostituição, a impureza, a lascívia, a idolatria, a feitiçaria, as inimizades, as contendas, os ciúmes, as iras, as facções, as dissensões, os partidos, as invejas, as bebedices, as orgias...).
Jesus diz que a hipocrisia é como um fermento que leveda a massa. Ora, onde a hipocrisia se misturar ela vai levedar, aumentar, fazer crescer! Ela faz crescer as iras, as invejas, as rixas, que há dentro de nós, e as pessoas tendem a não perceber essa ação dentro do ser enquanto vão experimentando a hipocrisia. Mas Jesus diz que o Evangelho também é como um fermento. Porém o que esse fermento do Evangelho faz levedar é o AMOR que foi derramado dentro em nós pelo Espírito Santo. Nossa alma, que é a nossa vida, segundo o Evangelho, não deve ser amada, no sentido de que nossos desejos carnais sejam o que nos dominem. Jesus adverte: Quem ama a sua vida, perdê-la-á; e quem neste mundo odeia a sua vida, guardá-la-á para a vida eterna.
Finalizando, gostaríamos de levar aos amados irmãos a seguinte pergunta: Recebemos de fato o AMOR de Deus dentro em nossos corações? Esse AMOR foi chamado no Evangelho de “primeiro amor”, porque não há ser criado antes de Jesus que o tenha experimentado. Mas nós que o recebemos, temos manifestado os frutos do Espírito que derramou dentro em nós esse AMOR?

Não há nada que possa ser escondido, tudo está patente e revelado aos olhos dAquele que tudo pode ver, e mais cedo ou mais tarde nossas ações denunciarão quem nos governa! A nossa mente é o campo de batalha entre a alma e o Espírito Santo, aquele que vence tem o domínio de corpo!
Postar um comentário