terça-feira, 3 de setembro de 2013

HÁ FARISAÍSMO EM NÓS?

“Um dos fariseus convidou-o para comer com ele; e entrando em casa do fariseu, reclinou-se à mesa. E eis que uma mulher pecadora que havia na cidade, quando soube que ele estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com bálsamo; e estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas e os enxugava com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés e ungia-os com o bálsamo. Mas, ao ver isso, o fariseu que o convidara falava consigo, dizendo: Se este homem fosse profeta, saberia quem é de que qualidade é essa mulher que o toca, pois é uma pecadora.”

Não posso dizer que neste momento não estejamos contaminados com o fermento dos fariseus (Mt. 16:11-12). Temos visto e ouvido que assim como os Gálatas começaram no espírito e agora estavam de novo na carne (religiosidade), a igreja do Senhor tem se afastado da verdadeira comunhão: “Ó insensatos gálatas! Quem vos fascinou a vós, ante cujos olhos foi representado Jesus Cristo como crucificado? Só isto quero saber de vós: Foi por obras da lei que recebestes o Espírito, ou pelo ouvir com fé? Sois vós tão insensatos? tendo começado pelo Espírito, é pela carne que agora acabareis? Será que padecestes tantas coisas em vão? Se é que isso foi em vão. Aquele pois que vos dá o Espírito, e que opera milagres entre vós, acaso o faz pelas obras da lei, ou pelo ouvir com fé?
Eu sou grato ao meu Senhor por saber, com entendimento,  que nada de bom habita em mim a não ser o Seu Santo Espírito, que dentre todas as grandes construções, templos, obras lindas feitas por mãos de grandes homens, não foi ali que ele escolheu para fazer Sua morada, mas foi num homem pecador como eu que Ele escolheu para habitar (1 Cor.3:16-17). Em muitas destas construções algumas pessoas são proibidas de entrar, outras até entram, mas são colocadas de lado por não terem em suas vidas algo de bom, ou politicamente correto, que outros possam ver e aprovar! Mas glórias a Deus por nosso Senhor Jesus que recebe todo homem pecador, com tudo aquilo que é reprovável pelos homens e não se importa com o espírito de crítica e desaprovação que muitos tem demonstrado na vida da igreja! (Lc. 18:10-14)
Tenho absoluta certeza que em mim exista pouco ou quase nada de bom que alguém possa tomar como exemplo para seguir a Cristo (Ec. 7:19-22). Tenho certeza de que ainda existem muitas coisas em minha vida que precisam ser mudadas, concertadas, resolvidas e sempre existirão enquanto eu for um homem que vive dentro de um corpo corruptível (1 Cor. 15:53-54), e enquanto for assim eu sou um pecador (1 Tm 1:15-16), que vive lutando contra o pecado, não tendo prazer no pecado que ora cometo  (1 Cor. 7:14-25), mas confio no Senhor que na Cruz trouxe sobre mim a expiação pelo meu pecado e me tornou justificado diante do Pai pela fé que agora eu vivo nEle (Gl. 2:20) e assim posso declarar com todo o meu entendimento : “Portanto, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” (Rm 8:1). Obrigado Senhor porque não são por boas obras, pelas coisas corretas que realizo que sou justificado diante de Ti, mas por Tua Graça sou alcançado todos os dias. (Rm. 8:33).
Acredito que o julgar, o condenar e o acusar pertencem a Deus (Rm. 2:13-24)! A acusação pertence à Lei de Deus, pois desde o principio a Lei tem sido conhecida como acusadora de nossas almas (Mt. 27:11-13; Jo. 5:43-47). Não obstante nós homens, que mal conhecemos a Palavra de Deus, usamos dEla para nos acusarmos mutuamente, assim como os fariseus que interpretavam a Lei acusaram o Filho de Deus e o mataram por acreditarem que Ele blasfemava contra Deus e contra Sua Lei pecava (Jo. 5:15-18),  e tudo isto segundo o que “conheciam da Lei”! Interessante: o próprio Deus não consegue “praticar” a sua própria Lei? Hoje nos tornamos como os fariseus, interpretamos as Escrituras não para levar salvação, não para levarmos cura, não para libertarmos cativos, não para fazermos o evangelho ser anunciado, não para atingirmos propósitos eternos, mas para acusarmos nossos irmãos dos seus “pecados” politicamente incorretos!
Amados, não se enganem, Deus não se deixa escarnecer, saibam que aquilo que temos feito que tenha envergonhado ao Senhor e o Seu evangelho um dia será trazido diante dEle e receberá a justa retribuição (Hb. 2:1-4). Há muitos reprovados por nós que receberão a gloriosa coroa e ouvirão: “Vinde benditos do meu Pai, possuí por herança o que vos está  preparado desde a fundação do mundo” (Mt. 25:31-34). E outros que achávamos como exemplo de homens e mulheres que de Deus ouvirão: “Nunca vos conheci, apartai-vos de mim vós que praticais a iniqüidade”. (Mt. 7:21-23). Deus não vê aparência, Ele não nos credencia por sermos aparentemente exemplares aos olhos das pessoas (Is. 6:5-7), ao contrário Ele estabelece em nós o Seu propósito segundo a Sua presciência e vontade. Ele conhece o nosso íntimo, sabe e sonda o que está lá dentro, e sabe se responderemos ao Seu propósito ou não (1 Sm. 16:7; 2 Cor. 10:12-18)!
Pecado? O que é o pecado? É uma atitude de soberba, de rebeldia, que está no coração do homem. Não é apenas um conjunto de normas. (Tia. 4:13-17). A essência do pecado é o orgulho! Muitos se orgulham de serem bons cristãos de não terem em suas vidas algo reprovável (Lc. 18:9-14)! Deus diz que a iniqüidade impedirá muitos de entrarem no Reino eterno, há orgulho em muitos corações, há iniqüidade em muitos corações!
Não te precipite com tua boca (Ec. 5:2). Os anciãos não estão no templo (Pv. 8:1-3), aqueles que tem sabedoria de Deus para instruir em justiça (1 Tm 4:11-16; 2 Tm 3:16-17) estão nas portas da cidade (Gen. 19:1-3; Rt. 4:1-12), eles estão a trabalhar para instruir, são dignos de dupla honra ( 1 Tm 5:17-19). Ainda são exemplos de fé... de fé..., não apenas de obras, mas de fé! (Hb. 13:7). Você quer ser abençoado? Olhe para aquilo que se parece com Cristo na vida das pessoas, não para as coisas reprováveis que elas possam vir a ter ou ser, pois Deus nos ensina a atentarmos, olharmos para o sucesso, o êxito da carreira dos anciãos e imitarmos a sua fé e não os seus erros ou fraquezas (1Cor. 15:1-2 Gl. 6:1; 1 Ts 5:14)!
Livre-se do farisaísmo! Abandone o pecado de julgar outrem (Mt. 7:1-5; 1 Cor. 4:1-5)! E finalmente, aprenda a amar, pois o verdadeiro amor pode cobrir uma multidão de pecados (1 Pe. 4:7-13; 1 Tm 1:5-11)! O Evangelho de Cristo nos afirma que a obra do convencimento do Pecado, da Justiça e do Juízo é do Espírito Santo de Deus (João 16:8-11)! Temos muita gente se achando o tal porque não consegue pregar um Evangelho vivo. Se o Evangelho pregado não libertar pessoas do pecado quem poderá libertar? Uma reunião de membros para exclusão do pecador? Ou quem sabe uma disciplina de seis meses afastando da comunhão e das atividades religiosas?
“Eu sou devedor, tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes. De modo que, quanto está em mim, estou pronto para anunciar o evangelho também a vós que estais em Roma. Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. Porque no evangelho é revelada, de fé em fé, a justiça de Deus, como está escrito: Mas o justo viverá da fé. Pois do céu é revelada a ira de Deus contra toda a impiedade e injustiça dos homens que detêm a verdade em injustiça”. (Rom. 1: 14-18).
Que Deus tenha misericórdia de nós!
Postar um comentário