terça-feira, 3 de setembro de 2013

SURPRESA! ...CHEGUEI!


Estar na expectativa de que algo bom está pra acontecer combina com sentimentos de euforia e alegria pela manifestação do que se aguarda. Mas existe uma boa expectativa pré-anunciada pelo Evangelho de Jesus, que aqueles que se declaram seus seguidores, tem sido a antítese do que acabamos de postular.
“Porque a criação aguarda com ardente expectativa a revelação dos filhos de Deus... e não só ela, mas até nós, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, aguardando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo”. (Rom 8: 19; 23).
Aqui Paulo está afirmando que assim como a natureza está gemendo para ver a revelação dos eleitos, dos Filhos de Deus, nós também gememos por este momento. Mas percebemos que na realidade os sentimentos do povo de Deus quanto a este momento é bem o contrário. Algumas vezes chegamos a pensar que a vida hoje está boa e que amanhã poderá ficar melhor ainda se orarmos mais, se nos dedicarmos mais as obras de Deus, se freqüentarmos mais os cultos, se dizimarmos com mais fidelidade, enfim, existe por aí esta idéia, mensagem, pregação, ensino de que  as coisas vão melhorar. Desculpem-me, mas que Evangelho vocês estão ouvindo? Para que “deus” vocês oram, a qual Jesus você fazem suas declarações de amor?
Alguma coisa está muito errada aqui. Vamos conferir?
Primeiro Jesus disse que na Sua manifestação, algumas coisas seriam vistas, como se fossem alguns sinais de que nossa redenção estaria próxima.
“Como aconteceu nos dias de Noé, assim também será nos dias do Filho do homem. Comiam, / bebiam, /  casavam / e davam-se em casamento, até o dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e os destruiu a todos. Como também da mesma forma aconteceu nos dias de Ló: comiam, / bebiam, / compravam, / vendiam, / plantavam e edificavam /; mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os destruiu a todos; assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar. Naquele dia, quem estiver no eirado, tendo os seus bens em casa, não desça para tirá-los; e, da mesma sorte, o que estiver no campo, não volte para trás. Lembrai-vos da mulher de Ló. Qualquer que procurar preservar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, conservá-la-á. Digo-vos: Naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e o outro será deixado. Duas mulheres estarão juntas moendo; uma será tomada, e a outra será deixada. [Dois homens estarão no campo; um será tomado, e o outro será deixado.] Perguntaram-lhe: Onde, Senhor? E respondeu-lhes: Onde estiver o corpo, aí se ajuntarão também os abutres”. (Luc. 17: 26-37)
Quero aproveitar este pequeno texto de Lucas, mas poderia usar outros textos de Paulo, de Pedro e de João em Apocalipse, porém aqui em Lucas há uma riqueza de revelação que não poderíamos deixar de compartilhar com os amados irmãos.
Assim como aconteceu... nos dias de Noé e nos dias de Ló. Assim Jesus faz a comparação com a manifestação do Filho do homem. Ele não usa a palavra parousia (vinda) neste texto, apenas faz uso da palavra manifestação, portanto fala de Reino de Deus que se manifesta através do Filho conforme Jesus faz referência no início do texto vs. 20 e 21.
Há dois momentos na história do homem em que ele recebe a intervenção do juízo de Deus, ou chamado dia da ira de Deus. No primeiro este juízo vem em forma de dilúvio e quase toda ração humana é exterminada com exceção de Noé e sua família. Esta intervenção é de proporções mundiais. A segunda é nos dias de Ló em forma de fogo e de proporções localizadas, em apenas algumas regiões. A cerca disto Pedro escreve:
“e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Pois eles de propósito ignoram isto, que pela palavra de Deus já desde a antiguidade existiram os céus e a terra, que foi tirada da água e no meio da água subsiste; pelas quais coisas pereceu o mundo de então, afogado em água; mas os céus e a terra de agora, pela mesma palavra, têm sido guardados para o fogo, sendo reservados para o dia do juízo e da perdição dos homens ímpios”. (2 Pe. 3: 4-7).
Portanto, o que Jesus está dizendo é a respeito de como está o mundo quando Ele se manifesta. Porém a manifestação do Reino é seguida de um juízo de Deus. Nos dias de Noé, Pedro nos diz que Noé pregava a justiça. Noé pregava o evangelho em seus dias. Mas como era esta pregação? Se Deus estava querendo exterminar o homem por causa da sua maldade que havia se multiplicado (Gen. 6: 5-7), o que Noé pregava que expressava o Evangelho na terra? Sabemos que a justiça de Deus sobre o pecado foi manifestada pela primeira vez no Éden quando o próprio Senhor Deus matou um animal para expiar o pecado de Adão e Eva, e os vestiu com as vestes daquele animal. Em decorrência disto, os Filhos de Deus, como eram chamados aqueles que tinham o sacrifício de animais como uma representação da reconciliação com Deus, e que por meio de justiça (sangue derramado), satisfaziam a Deus através de uma morte substitutiva. Cumpria-se assim o mandamento de que o pecado recebe a justa punição com a morte, ou seja, a alma que peca esta morrerá; assim este conhecimento foi passando de pai para filho. Adão passou a seus filhos, mas nem todos seguiram. Os filhos de Sete passaram a seus filhos e assim por diante até que ninguém mais oferecia a justiça de Deus sobre o pecado, a não ser Noé! Por isso Noé agradou ao Senhor quando o dilúvio foi predito. Ele era o único homem na terra que acreditava no Sangue expiatório do pecado. Foi preservado com vida por meio da sua pregação e fé!
Chamamos a atenção para três verbos que Jesus usa para dizer a cerca do tempo de Noé: comer, beber e casar. O que se fazia naquele tempo eram apenas três coisas.
Olhando para o exemplo de Ló, encontramos algumas semelhanças fortes. Ló vivia em uma das cidades que eram conhecidas por serem altamente promíscuas. A perversidade de Sodoma e de Gomorra haviam se multiplicado em demasia, ao ponto, dos homens daquela cidade quererem manter relações sexuais com os homens que foram resgatar a Ló antes que o Senhor enviasse o seu juízo.
“Entretanto, Ló insistiu muito com eles, pelo que foram com ele e entraram em sua casa; e ele lhes deu um banquete, assando-lhes pães ázimos, e eles comeram. Mas antes que se deitassem, cercaram a casa os homens da cidade, isto é, os homens de Sodoma, tanto os moços como os velhos, sim, todo o povo de todos os lados; e, chamando a Ló, perguntaram-lhe: Onde estão os homens que entraram esta noite em tua casa? Traze-os cá fora a nós, para que os conheçamos. Então Ló saiu-lhes à porta, fechando-a atrás de si, e disse: Meus irmãos, rogo-vos que não procedais tão perversamente; eis aqui, tenho duas filhas que ainda não conheceram varão; eu vo-las trarei para fora, e lhes fareis como bem vos parecer: somente nada façais a estes homens, porquanto entraram debaixo da sombra do meu telhado. Eles, porém, disseram: Sai daí. Disseram mais: Esse indivíduo, como estrangeiro veio aqui habitar, e quer se arvorar em juiz! Agora te faremos mais mal a ti do que a eles. E arremessaram-se sobre o homem, isto é, sobre Ló, e aproximavam-se para arrombar a porta. Aqueles homens, porém, estendendo as mãos, fizeram Ló entrar para dentro da casa, e fecharam a porta”; (Gen. 19: 3-10).
Vemos aqui uma revelação tremenda. A atitude de Ló para com os homens que estavam lhe visitando foi de puro amor. No capítulo 18: 20-21 de Gênises, Deus diz que subia aos céus um clamor e um agravo de pecado, quando então Ele diz: descerei agora e verei se em tudo tem praticado segundo o seu clamor e segundo os seus agravos de pecados. Havia alguém que clamava a Deus; havia também quem manifestasse o pecado. Deus desceu até Sodoma e Gomorra para ver quem clamava e quem estava manifestando o pecado.
A cerca dos dias de Ló, Jesus usa seis verbos: comer, beber, comprar, vender, plantar e edificar. Três a mais que nos dias de Nóe, e não faz referência ao verbo casar, porque Sodoma e Gomorra eram conhecidas pelas perversidades sexuais, de forma que nem casavam, nem se davam em casamento, mas relacionavam-se de todas as formas que hoje nós sabemos que são praticadas com as mesmas características.
Os verbos comprar e vender, falam de um tempo apocalíptico em que João relata a presença de um sistema financeiro na terra, que ele o chama de a Besta, que exige a marca ou um sinal na mão direita ou na testa de todos que quiserem viver naquele tempo (Ap. 13:16-18).
Os verbos plantar e edificar, fala da grande problemática que segue a todas as nações, que querem acreditar que existe um planeta sustentável a ser povoado e conquistado.
Finalmente, tanto Noé, como Ló, eram pregadores da justiça. Noé a fazia com o sacrifício de animais e Ló com o sacrifício da sua própria vida (Rom. 12:1). Vemos o antigo e o novo testamento sendo representado aqui. Mas se eram apenas eles que pregavam a justiça quando Deus se manifestou em juízo, como será então no dia da manifestação do Filho do homem? Achará porventura fé na terra?
No tempo de Ló quase o mataram, quando ele com sua vida simboliza uma pregação de juízo para aqueles que permaneciam no prazer da carne. E hoje, estamos sofrendo a mesma repulsa dos homens? Será que Deus (eu escrevi o verbo ver e não ouvir) o nosso clamor diante do pecado que abundantemente tem se manifestado na terra? Não é o que eu falo aos homens, e sim o que eu estou fazendo a esses homens na Terra?
“Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios. Porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite; mas nós, porque somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançarmos a salvação por nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele”.

Surpresa... Cheguei! Que o Senhor não se surpreenda com a Sua igreja, nem a sua igreja seja surpreendida na manifestação do Reino de Deus.
Postar um comentário