terça-feira, 3 de setembro de 2013

VIVENDO UMA MENTALIDADE DE REINO

Meditando no texto de Mt. 25:34 vemos que um Reino foi preparado desde a fundação do mundo, e segundo o criador deste Reino, há um propósito eterno para ele. No verso seguinte (35), começamos a entender que os recursos espirituais e materiais disponibilizados neste Reino também seguem o propósito. Jesus está falando de como podemos utilizar os recursos que foram disponibilizados para nós nos mantermos (mordomia do dinheiro), como alimentação, vestuário, hospitalidade, tempo...  dinheiro!
Conduzir transações espirituais e materiais em favor do Reino é algo muito sério. Há quem pense que o que recebemos de Deus em nosso favor não haveremos de prestar contas daquilo que usufruímos como recursos de Deus! A Palavra do Senhor em Lucas 19:15, 22 diz que haverá uma prestação de contas (Lc. 3:11; 1 Jo. 3:17; Col. 3:22,23; 4:5).
Esta prestação de contas não está relacionada com ganho financeiro. Deus não precisa de dinheiro! Ele não quer nosso dinheiro, mas vai pedir contas de como utilizamos os recursos que Ele vem dando ao seu povo. O Pai não deseja que retornemos o mesmo valor de deposito que nos foi dado. Não é opção, é mandamento. Os recursos que nos foram disponibilizados devem render “juros” para o Reino de Deus (Lc. 3:8-9; 1 Jo. 3:13-18). Deus quer que produzamos com rentabilidade, independente se delegamos isto a alguém (banco Lc. 19:23). Estes “juros” que está sendo cobrado são em favor das almas que estamos levando para Cristo! Se não podemos fazer de forma coletiva, no mínimo, no pouco, devemos ser fiel e fazermos pessoalmente, devemos financiar a propagação do Evangelho! Assim os recursos que foram disponibilizados para nós seguem em favor daqueles que estão sendo Evangelizados (MISSÕES).
Em João 15:5 diz: ele corta o ramo que não produz e poda o que produz para que produza mais e mais. Hoje temos muitos ramos cortados e podados dentro de nossas igrejas, porém somente o agricultor sabe quem são (Jo. 15:1)!
Juros em grego é tokos que significa nascimento de algo novo! Se não estamos produzindo direta ou indiretamente “algo novo” somos aqueles que estão em Mt. 7:22-23!
Comece a discipular e veja como o Senhor vem e nos poda! Os teus discípulos começarão a questionar as tuas ações!  
Tudo que aprendemos nos cultos e escolas dominicais deve render juros, seja ministérios ou apenas aprendizado de uma ministração, eles devem produzir juros. Toda palavra pregada, ensinada, ministrada, enfim, tudo que é espiritual ou material tem que afetar nossa vida, trabalho, relacionamento, investimento, assim estaremos negociando até que Ele venha (Lc. 19:13)!  
Façam negócios até que eu volte! Multipliquem as sementes que Eu coloquei nos vossos corações!  
Se isto não estiver ocorrendo em nossas vidas, todas as mensagens ou ensinos estão sendo desperdiçados, sejam louvores ou adorações!
Temos que discernir uma coisa: Entre a Sua ida e Sua vinda (Lc. 19:12-13) deve haver produtividade. O Rei vai dar galardão ao servo fiel que recebeu algo e que produziu algo também.
 Jesus não vai avaliar quantas vezes você foi à igreja! Ele vai exigir contas daquilo que você aprendeu na Igreja!
O Rei não quer religiosidade, Ele quer que o Reino cresça! Não adianta você ir aos cultos toda a semana e não fazer nada com o que aprendeu, torne-se produtivo, seja na tua vida ou de outras pessoas.
Ele não quer que você entenda isto. Ele quer que você faça isto! (Lc. 19:17 – “Bem está (feito)!”).
Trabalharmos para o reino de Deus não é com obrigação ou medo. Fazer algo neste plano (natural) para recebermos algo no espiritual deve ser com ousadia e interesse (Mt. 25:16 – imediatamente!). Quando Davi foi enfrentar o gigante Golias (1 Sm. 17:12-50) ele foi com interesse em obter alguma vantagem!
Há quem pense que em Davi havia o interesse altruísta pela sua nação que estava sendo envergonhada, ou quem sabe, um jovem que fosse tão temente a Deus capaz de se entregar  nàquela batalha quase suicida. Não é assim que a Palavra de Deus nos ensina. Ao contrário, por três vezes foi dito a Davi: “Ao homem que o matar (Golias), o Rei lhe: (1Sm. 17:25, 26 e 27)”:
1º) cumulará de grandes riquezas;
2º) lhe dará a sua filha;
3º) fará livre a casa de seu pai em Israel.

Ora, quem não espera receber nesta vida ou na vindoura tais bênçãos? Quantos Golias você vai enfrentar em troca delas?
Com Jesus não foi diferente, Ele também foi até a Cruz por um interesse. Em Hb. 12:3 está escrito que por causa da “alegria que lhe estava destinada” Ele suportou a Cruz. Vendo eu e você cheio de riquezas, livres e casados com um noivo que pode nos dar a vida eterna! Ele suportou a Cruz! Nós somos a recompensa de Cristo!
O que normalmente acontece é que sempre estamos fazendo negócios no meio de homens que rejeitam a autoridade de Cristo (2 Tm. 3:7,9,12-13). Rejeitam o que nós fazemos. Rejeitam a maneira como nós fazemos. Este mesmo povo, cheio de religiosidade também se manifestará e dirá: “Você não pode negociar em favor de Cristo, você não está credenciado para negociar em favor de Cristo, você não é digno de negociar em favor de Cristo. Na nossa igreja você não pode negociar em favor de Cristo por causa disto, ou daquilo”. É tão interessante quando comparamos estes religiosos com os do texto de Mc. 9:38-40; Lc. 9:49-50; Fl. 1:12-18.
No Reino de Deus há lugar para todos os que querem negociar, nas igrejas nem sempre!
Neste texto de Lc. 19:11-27 Jesus ensina para que servos bons e fiéis quebrem a religiosidade, legalismo e atuem já, não apenas esperando a volta de Cristo, mas fazendo algo até que Ele venha!
Estes que vivem pedindo a volta de Jesus são aqueles que querem subir por não querer viver uma vida de responsabilidade para com o Reino de Deus! Estes sempre estão na igreja, mas só sabem criticar. Criticam a forma como o Pastor prega, criticam o que o Pastor prega, como ele ensina, como é conduzido o louvor, como o culto é conduzido, na verdade, não negociam nada e impedem os que querem negociar!
Por quê o ensino desta parábola? Jesus diz: Ficai ocupados até que eu venha, façam negócios até que eu venha, multipliquem meu investimento!
Toda tua família já esta salva? Então, onde você pensa que vai? “Ah, se eu não precisasse orar, meditar, evangelizar, visitar, discipular... Somos preguiçosos”.
Para aqueles que esperam a volta do Cristo, vale uma lembrança: Deus só poderá julgar o mundo quando o padrão dEle for estabelecido!
“Disse o Senhor a Satanás: Notaste porventura o meu servo Jó, que ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, que teme a Deus e se desvia do mal?” (Jó 1:8).

Jó tipifica Cristo, nós somos o corpo de Cristo, Deus está perguntando: Você segue o meu padrão?
Postar um comentário